Facebook LinkedIn YouTube
Como começar com análise de vitaminas Saladas pré-embaladas frequentemente contaminadas com bactérias, vírus ou fungos prejudiciais, revela um estudo recente realizado na Alemanha Portugal aperta vigilância face à epidemia de Peste Suína Africana Interpol apreende produtos alimentares adulterados no valor de 103 milhões de euros Quão eficaz é a sua monitorização de Salmonela? O workshop Real-Time PCR em Vinhos foi um sucesso! Aveia sem glúten: como garantir a segurança dos produtos de aveia Tetrodotoxina: a história do peixe mais tóxico que o cianeto Workshop: Real Time PCR em vinhos Seminário DUMAS: Método de Referência para Nitrogénio e Proteína em 3 Minutos A App RIDA®SMART na Schapfenmühle Ver mais »

Notícias - Tetrodotoxina: a história do peixe mais tóxico que o cianeto

Tetrodotoxina: a história do peixe mais tóxico que o cianeto 27/05/2019

Em Shutterstock, por Nengloveyou (ID:197481944)

Ambifood Alimentar

No Japão, o consumo do peixe conhecido como Fugu ou peixe-balão, causa 30 - 50 intoxicações alimentares por ano, levando, por vezes, à morte. A causa é a Tetrodotoxina (TTX), uma das neurotoxinas mais poderosas conhecidas, muitas vezes mais tóxica que o cianeto.

O nome tetrodotoxina é derivado da família de peixe-balão da qual foi isolada: Tetraodontidae. A TTX e seus análogos pertencem a um grupo de neurotoxinas que são produzidas por várias bactérias marinhas. A toxina pode acumular-se em certas espécies de peixe, diferentes bivalves marinhos (amêijoas, ostras e mexilhões) e gastrópodes. Devido ao aumento mundial da temperatura da água, a TTX também aparece nestes organismos nas águas europeias. Como exemplo, foi recentemente detetada em frutos do mar colhidos em Portugal, Reino Unido, Espanha, Grécia e Holanda.

A ingestão de frutos do mar contaminados pode ter conseqüências fatais. Ao nível celular, a TTX bloqueia os canais de sódio voltagem-dependentes que causam alterações das funções neuronais e paralisia muscular. A morte pode ocorrer devido a insuficiência cardíaca ou respiratória. No Japão, um limite máximo de 2 mg / kg foi definido para peixes. Por enquanto, não existem limites máximos para a tetrodotoxina em padrões alimentares na União Europeia. De acordo com o recente parecer científico da Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA), uma concentração de 44 µg / kg de TTX e seus análogos na carne de crustáceos não deve resultar em efeitos adversos em seres humanos.

A R-Biopharm lançou recentemente o teste EuroProxima Tetrodotoxin ELISA. Este ELISA competitivo pode ser usado para a análise quantitativa de TTX em peixes e moluscos. O teste é específico para TTX, não apresenta reatividade cruzada com outras biotoxinas marinhas, saxitoxina, ácido ocadaico e ácido domóico. Além disso, com um limite de detecção para peixe e marisco de 7 e 9 µg / kg, respectivamente, o ELISA apresenta uma sensibilidade elevada, que cumpre o limite japonês e é 5 vezes inferior ao "Nível de efeito não observado” (NOEL) da EFSA.


Para mais informação sobre o EuroProxima Tetrodotoxin ELISA contacte-nos.


« voltar

COMPETE - QREN - EU