Facebook LinkedIn YouTube
Brettanomyces, a levedura que estraga o vinho Espanha emite alerta internacional de saúde após surto de listeriose Como começar com análise de vitaminas Saladas pré-embaladas frequentemente contaminadas com bactérias, vírus ou fungos prejudiciais, revela um estudo recente realizado na Alemanha Portugal aperta vigilância face à epidemia de Peste Suína Africana Interpol apreende produtos alimentares adulterados no valor de 103 milhões de euros Quão eficaz é a sua monitorização de Salmonela? O workshop Real-Time PCR em Vinhos foi um sucesso! Aveia sem glúten: como garantir a segurança dos produtos de aveia Tetrodotoxina: a história do peixe mais tóxico que o cianeto Workshop: Real Time PCR em vinhos Ver mais »

Notícias - 5 Dicas essenciais para evitar a contaminação de glúten

5 Dicas essenciais para evitar a contaminação de glúten 18/10/2016

Ambifood Alimentar

Cada vez mais se fala sobre a intolerância ao glúten e a procura por alimentos livres deste alergéneo tem aumentado nos últimos anos. No entanto, ainda restam muitas dúvidas quando se preparam refeições para celíacos. Aqui estão os cuidados que precisa de ter quando cozinhar sem gluten

As pessoas que sofrem de doença celíaca ou têm sensibilidade ao glúten devem seguir uma dieta rigorosa. Nos últimos anos foram alcançadas algumas melhorias para as pessoas afetadas: o glúten tem de ser marcado na lista de ingredientes, a oferta de produtos sem glúten tem aumentado e a oferta na restauração tornou-se mais diversificada. No entanto, ainda há o risco de comer glúten acidentalmente. O risco de contaminação cruzada é especialmente alto em fábricas e cozinhas que produzem ou preparam produtos sem glúten ao mesmo tempo que preparam alimentos que contêm glúten. Por exemplo, os alimentos sem glúten naturais, tal como farinha de arroz, são muitas vezes contaminados com glúten.



Fontes de risco na produção e no laboratório

A contaminação cruzada é um grande problema especialmente quando se lida com farinha que contém glúten. A moagem de cereais e o processamento de farinha dá origem ao pó de farinha. Este pó espalha-se pela sala e pode entrar em contacto com alimentos, superfícies, toalhas e roupas de trabalho. Isto resulta num risco de contaminação elevadíssimo.

No laboratório também é possível o surgimento de pó proveniente de grão durante a preparação da amostra. A contaminação de glúten no laboratório é problemática porque pode levar a resultados falsos positivos. O facto de que os resíduos de farinha têm normalmente uma distribuição não linear apresenta uma dificuldade adicional para a análise. Assim, o staff do laboratório deve sempre usar luvas e lavar superfícies e equipamentos com etanol (60%) antes da análise. Ao analisar produtos crus, a extracção e aplicação de testes devem ser realizadas em salas separadas.

Como as pessoas que sofrem de doença celíaca podem reagir até mesmo à mais pequena quantidade de glúten, precauções especiais devem ser tomadas a fim de evitar a contaminação cruzada além das medidas habituais de higiene.



Dicas para evitar a contaminação de glúten em casa


Se tem alguma dúvida ou procura a nossa ajuda ligue-nos ou mande mensagem através do Facebook Messenger da nossa página.


Consulte também o site da Associação Portuguesa de Celíacos para mais informações em relação a este tópico.




Detecte a contaminação de glúten no seu ambiente de trabalho


Quando produz ou prepara alimentos sem glúten inclua o teste das superfícies de trabalho para a contaminação de glúten. A maneira mais fácil para testar a contaminação será através do uso duma zaragatoa. Estas tiras de teste são fáceis de usar e dão resultados em apenas 5 minutos. O vídeo abaixo mostra como se realiza este teste utilizando o RIDA
®QUICK Gliadin.



Saiba mais sobre este produto aqui ou contacte-nos.


« voltar

COMPETE - QREN - EU